Quem me conhece sabe que eu uso saias ou vestidos 99% do tempo.
Outro dia eu fiz um post aqui falando sobre como eu não gosto de calça jeans e como isso me ajudou a definir meu estilo.
Mas Érica, e o frio, como faz?

No frio a coisa não é muito diferente do calor: mudam os tecidos, os comprimentos e entram com tudo as botas e as meias-calças.

Pra ajudar nesta dica, fiz uma seleção de vestidos para o inverno por ocasião.

Vestidos de inverno para usar no trabalho

vestido inverno trabalho trabalhar

Para o trabalho: procure comprimentos maiores e decotes discretos. Cores neutras são boas opções e caso opte pela estampa, que seja em tons sóbrios.

Vestidos de inverno para usar num jantar

vestido inverno jantar

Para um jantar, a dois ou com amigos, você pode ser sutilmente sedutora. Para isso, pode optar por vestidos mais justos, que marquem a cintura e comprimentos menores, que mostrem as pernas (Devidamente cobertas com meia-calça!). Lembrete: evite decotes, aposte no comprimento menor.

Vestidos de inverno para usar na balada

vestido inverno balada elegancia frio ideias

Na balada, a sua parte mais ousada vai ficar por conta dos recortes, dos tecidos e dos detalhes. O comprimento mais curto também vai muito bem e os decotes podem ser um pouco mais acentuados, mas nada exagerado. Elegância em primeiro lugar.

 

A ideia aqui não é se atentar a uma marca específica, mas sim na proposta de cada vestido e o que procurar na hora de escolher o vestido de inverno para cada ocasião.

Campanha Shoes4You

escrito por
erica
Erica Hans tem 28 anos e quer que todo mundo seja feliz. Além disso, é sócia/diretora da Hollic Social Media.
Veja Mais Posts sobre
24/06/2015

Captura de Tela 2015-06-05 às 16.36.58

Trabalhar com social media te traz uma lucidez quanto à sociedade:

infelizmente, o que mais interessa para as pessoas em termos de conteúdo é

1) consumo 2) aparência 3) futilidades 4) tragédia .

Talvez realmente nesta ordem.

Não que a TV e as mídias offline já não tivessem identificado isso, mas fica tão nítido nas redes sociais.

Mas como viver num mundo onde a futilidade virou o padrão?

Será que o “fútil”, o “supérfluo” ainda existe ou já que vivemos numa época onde tudo gira em torno de consumo, esse termo cai e perde o sentido?

Numa época guiada pelo “ter”e não pelo “ser”, será que a gente ainda tem a propriedade de dizer que “isto é fútil, isto é útil?”.

Se pararmos para olhar, os vídeos, matérias e sites mais acessados são de conteúdos orientado por: beleza (tutoriais de maquiagem), moda (look do dia), comprinhas e favoritos do mês (produtos, produtos e mais produtos). A seguir, vem mais estética: cremes, hidratantes, serums, clareadores, emagrecedores. Depois, o corpo:  Fit, lookfit, diet, light, sem glúten, proteico.

Num tempo onde o convênio paga para um profissional de saúde (para efetuar um procedimento cirúrgico que envolve bons 12 anos de estudo) , bem menos do que uma “celebridade do instagram” cobra por uma singela foto, como vamos orientar a nossa geração?

Será que é fútil gravar o vídeo de favoritos do mês e ganhar 10 mil por isso ou vale a pena estudar em período integral ininterruptamente e salvar vidas por 400 reais à cirurgia?

Eu ouço o tempo inteiro: os valores estão invertidos.

Será que ainda temos valores?

Não estou desmerecendo o trabalho de inúmeros blogueiros, youtubers, twitteiros, instagrammers ou quem quer que leve as redes sociais como um trabalho (sim, dá trabalho, pra caramba).

O meu ponto é que do outro lado, todas as profissões sofrem uma desvalorização absurda.

Quem rege o mundo é quem vende produto.

Quem vende produto vende futilidade? (Ou a gente precisa mesmo de três tipos de demaquilante?)

Quem compra produto, sustenta esse sistema. (Não é a toa que tem dentista aplicando botox. Todo mundo quer sobreviver.)

Eu não sei o que eu vou falar pros meus filhos.

E vocês?

 

 

 

 

 

 

escrito por
erica
Erica Hans tem 28 anos e quer que todo mundo seja feliz. Além disso, é sócia/diretora da Hollic Social Media.
Veja Mais Posts sobre
05/06/2015

Captura de Tela 2015-05-28 às 00.33.41

Tá cada vez mais difícil viver nesse mundo, né?
Esses tempos tenho pensado muito sobre sentimentos e sinceridade.
Eu acho que amor não se pede, nem se cobra.
Isso pra todo tipo de amor.
Amigos, família, relacionamentos…

Acho que a gente não tem que dar discurso em ninguém.
Sabe aquela coisa de reclamar pra amiga “você sumiu?”?
Será que você pode dizer isso?

Você, que ao menos visita a sua avó?
Que está ocupado demais com o trabalho,
mas tem tempo de sobra pra ver
mais de uma temporada de mais de um seriado?

Será que a gente avisa quando fica triste com alguém?
Ou sai andando, de fininho, tão leve quanto
um silêncio bom?

Será que vale a pena dar indireta em rede social?
Aquela coisa de postar meme e uma “frasezinha” de efeito
Que é o nova forma que a humanidade achou
pra se expressar.

Eu olho o Facebook e vejo muita tristeza.
Todo mundo doido tentando ser ouvido,
mas ninguém ouve mesmo o que está cutucando lá dentro.

Todo mundo procurando uma
beleza no melhor filtro
no melhor ângulo
na melhor selfie.

O que será que é bonito?
Bonito é ser gente que tem tempo pra mais gente.
(Aí todo mundo pode fazer um selfie juntinho.)

Todo mundo procurando o link perfeito
pra dar a impressão perfeita
nas pessoas imperfeitas.

O que é ser perfeito?

Você tem amigos?
Eles são de verdade?

Eu ainda não sei.

escrito por
erica
Erica Hans tem 28 anos e quer que todo mundo seja feliz. Além disso, é sócia/diretora da Hollic Social Media.
28/05/2015

mkl

Se você for desorganizada, já sabe onde procurar a salvação.

A guru da organização Marie Kondo bombou na mídia essa semana com dicas revolucionárias de como organizar a sua casa.

Revolucionárias? Sim. A ideia é que você oriente a sua organização principalmente pelo que gosta, e não pelo que não gosta (que é onde a maioria começa)

Separei alguns videos para vocês pegarem as dicas imediatamente!

Como dobrar blusinhas ou blusas pelo método Marie Kondo

Como dobrar blusas de manga longa pelo método Marie Kondo

Como dobrar calças pelo método Marie Kondo

Como organizar meias e calcinhas (lingerie) pelo método Marie Kondo

Como fazer as malas pelo método Marie Kondo

Você pode comprar o livro dela aqui ,custa por volta de R$18,00.

livromariekondo

Vou testar aqui em casa e depois eu conto o que achei nas minhas redes sociais!

Snap_chat : erica_hans

Instagram @lindapordentro

 

 

escrito por
erica
Erica Hans tem 28 anos e quer que todo mundo seja feliz. Além disso, é sócia/diretora da Hollic Social Media.
Veja Mais Posts sobre
27/05/2015