(Beco do Batman)

Meu mês de janeiro estava parecendo final de temporada de seriado. Parece que a qualquer momento ia subir o crédito e finalmente começar uma fase nova.

Lições aprendidas pelo personagem, no caso, eu?

Às vezes você quer ajudar uma pessoa dando o exemplo e sendo legal com ela, pra ver se ela aprende a ver a vida com olhos mais doces, entender que nem todo mundo é do mal e que ainda tem esperança no planeta terra. E que com isso, ela vire uma pessoa melhor também (e quem sabe menos filha da puta com os outros) .

Mas não. Tem gente que quando recebe ajuda, deita e rola. Acho que é obrigação. Poderia dar mil nomes à isso: folga, falta de bom senso, criancisse, excesso de mimos…

Quem não aprende pelo exemplo, vai ter que aprender por si só.

Parece tão óbvio isso mas descobri que faz uma diferença bem grande você falar algo e a pessoa sentir na pele.

Tenho exemplos próprios. Quando meu pai pagava minhas multas e os consertos das mil raladas que eu dava no carro, estava tudo lindo. Eu continuava sem prestar atenção no radar e nos postes da garagem. Hoje fui buscar meu carro no funileiro e doeu o meu bolso. O motivo das mil e umas raladinhas? Pura desatenção.

Captura de Tela 2014-02-17 às 17.26.23

 

(na Castello Branco)

Uns meses atrás foi meu Mac. Derrubei café no teclado, lá se foi uma quantia pra consertar a logic board (que é a placa mãe). Dois meses depois meu cachorro pulou na minha cama e derrubou um copo de água que eu deixei em cima do computador (por conta de cinco segundos que eu ia prender meu cabelo). Pifou a logic board de novo, mais o visor – gastei o dobro do preço. Desatenção, mais gastos à toa.

maltês computador

 

(Teese, arteiro, dormindo em cima do computador)

Se fosse há uns dois ou três anos atrás, lá ia meu pai pagar o conserto e eu ia continuar a fazer merda. Sem prestar atenção. Quem sabe não teria ainda consequências piores?

Então é isso.

Nem sempre é fácil dar o exemplo para alguém aprender uma lição. Sou mole com o meu maltês, imagino como deve ser difícil castigar os filhos. Não quero nem pensar.

Por enquanto, estou passando pelo meu primeiro treino.

Falar não é bem mais difícil do que falar sim, mas pode ser a última forma de tentar fazer alguém melhorar quando nada mais tem solução.

Sobe o crédito, Brasil! (Subiu!)

Beijos,

Érica Hans

escrito por
erica
Erica Hans tem 30 anos e quer que todo mundo seja feliz. Além disso, é sócia/diretora da Social Media St..
Veja Mais Posts sobre
19/02/2014

comentários
diga alguma coisa