cronica_boldaslove

Ela andava em círculos, crescida e “lucrada”. Com CNPJ, previdência, seguro de saúde e tudo mais que servia para atestar a sua “adultez”.

Seus anos seguros tinham um quê de controle, aquele controle que ela sempre procurara. Tudo ao seu redor era do seu jeito e fazia sentido para ela. As flores à esquerda na pia do banheiro, o porta-retratos do lado de cá do rack. O quadro temporário – ela pensava – “temporário”, prosseguia, temporariamente, em uma das paredes da sala.

Foi quando decidiu participar do que chamara de insensatez.
Sempre gostou das histórias mais malucas. O amor só pode ser grande e o filme da vida só pode ser bom se for dramático.

Sendo assim, “insensatou”.

Foi em frente do que parecia ser uma aventura sem cabimento mas que no fundo ia lhe garantir todo o frescor que a vida – a vida não, ela mesma, havia tirado.

Andou de salto ando muito cedo, respondia por equipes mais nova do que imaginara, comportava os gastos com grandes sobras todo o mês; assim podia colorir seu mundo-armário-mundo com ainda mais sapatos.

E o amor, essa entidade que intercalava a sua porta do escritório e da sua casa apareceu para desnortear essa ordem absoluta que a rondava.

Essa ordem que ela quer tanto promover e padecer sem que seu consciente a revelasse, essa ordem que só foi feita para que pudesse ser destoada, assim havia motivos para novas cores, novos amores, novas solidões.

Ele tirava ela da ordem e embora ela jurasse que isso não ia acontecer,
ela só entrou nessa porque sabia que isso poderia acontecer.

O amor é risco
E risco é a toda e única graça que a vida de uma pessoa
Controlada
Pode se arriscar a ter.

E ela ama ele.
Sem reticências.
Ama com medo.
Ama daquele jeito que ela queria amar o desconhecido
Quando veio pra cá
Entrosar-se com humanos
Estranhos
E doidos

Ela ama tanto que lhe dá medo
E isso a faz sentir mais um certo controle sobre seu destino:

A certeza de que a felicidade e a plenitude

Nunca se sabe,

se vão ficar.

(Érica Hans)

Quer ler mais crônicas? Visite meu blog de crônicas aqui 

escrito por
erica
Erica Hans tem 30 anos e quer que todo mundo seja feliz. Além disso, é sócia/diretora da Social Media St..
25/03/2014

comentários
diga alguma coisa